quinta-feira, 28 de abril de 2011

Veneno de Patricia Camargo

Eu confesso que estou apaixonada pela historia, ela é incrível e eu também estou apaixonada pela capa. 
Só que, ela só está disponível no Orkut.

 Sinopse:
Meu nome é Daniel Negromonte.
E eu sou o seu pior pesadelo.

Prólogo: 
Não importava em qual colocação eu chegasse, ele estaria lá para me abraçar.
Mas... Ah, perder é para fracos.
Eu aumentei a minha velocidade, sentindo o capim bater contras as minhas pernas nuas, e o vento fazer meus olhos lacrimejarem.
E eu cruzei a fita. — Daniel!
— Você conseguiu! — Ele me segurou no colo, me fazendo girar no ar. — Pequena rainha, eu sabia que você ia conseguir!
— Eu pensei que fosse perder!
— Denise e eu sabíamos o tempo todo. — Daniel beijou a minha testa. — Deus, você vai ser tão egocêntrica quando crescer! Pare de ganhar sempre, pequena rainha.
Enrosquei os meus pequenos braços no seu pescoço. — Eu não vou ser egofêntrica.
Ele gargalhou. — Não, eu não vou deixar você ser egofêntrica.
— Diana! Diana! — Denise pulou em cima do banco. — Você conseguiu!
Daniel me colocou do seu lado. — Eu consegui!
— Daniel disse que você ia conseguir. — Ela me abraçou. — Você sempre consegue!
Eu olhei para trás, mas Daniel não estava mais lá. — Eu vou conseguir sempre, Dê, eu sou a pequena rainha dele.
Nós pulamos para o chão. — Você viu o jeito que o Lucien olhou para você? Tsk, ele não gostou de perder. Vamos colocar o Daniel para cuidar de você!
Franzi o cenho para o sol escaldante. — Onde está o Daniel? Ele estava aqui ainda a pouco e... — Me virei, e nós duas predemos nossas respirações.
O Rei Negromonte estava com Daniel.
Daniel e seu pai eram como a noite e o dia. O Rei da Dinastia de Fogo era ruivo como Denise, e de olhos cor de mel, alto e imperativo. Daniel tinha cabelos escuros, os olhos azuis da sua falecida mãe, e sempre um sorriso maroto.  
Mas ele não sorria perto do seu pai.
Nunca sorriu.
— O que o papai está fazendo aqui? — Denise balbuciou, saindo do choque primeiro que eu.
— Eu não sei. — Cochichei de volta. — Daniel não parece ter gostado da surpresa.
— Papai nunca vem nos ver, Di.
— O Rei nunca vem ver o Daniel, Dê. Você sempre viaja para a Corte.
Ela olhou para mim como se nunca tivesse percebido isso antes. — Por quê?
— Eu não sei. Daniel sempre fica comigo nas férias do Instituto.
Porque minha mãe também nunca quis saber de mim.
— Oh! — Denise me sacudiu, me tirando dos meus pensamentos com minha não-amada mãe. — Quem é aquele homem loiro com o Daniel?
Mas eu nunca havia visto-o antes. — Eu não sei. — Repeti.
E os três olharam na nossa direção.
Em nossa ingenuidade de dez anos, sorrimos e acenamos.
O Rei e o homem nos ignoraram e saíram, enquanto Daniel nos sorriu de volta.
Mas eu nunca havia visto-o sorrir tão falsamente.
Até o dia da sua traição.


O que acham?
Beijos

4 comentários:

  1. Veneno? LINDOOOOOOOO! [AAAAAAAAAAAAAA]
    E é claro que eu tenho uma das metades do Daniel Negromente.. HAHAHA '

    Leiam! A história é pefeita! *0*

    ResponderExcluir
  2. Levei o banner
    http://jennywestwick.blogspot.com

    Jenny'

    ResponderExcluir
  3. A primeira frase meu nome é ...... e eu sou o seu pior pesadelo me atraiu ah quero ler também

    Visita quando puder

    http://verdorinvisivel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá fiz um novo Blog e gostaria muito que você visitasse e desse a sua opinião ela é muito importante para mim

    http://aleitoracassia.blogspot.com/

    ResponderExcluir