quarta-feira, 30 de março de 2011

Trilogia Flinx de Pamella Santos


Sinopse
     Num mundo onde os maus planejam contra a sua própria sociedade são necessários aqueles para fazer a sua proteção. Porque não os filhos dos seus líderes? Mas é claro que as divindades desejam isso, embora nem todos saibam desse futuro já planejado.

     Helene é a princesa da sétima tribo de Flinx, Zéfiro. Uma garota sonhadora, alegre, que é vista como encrenqueira por todos e principalmente pelo seu pai e irmã. Ela não faz ideia do seu destino traçado, que sua vida se desfaria como a poeira ao sabor do vento. Até tudo virar uma grande mentira. Traição. Era o que as pessoas que amava escondiam dela. E contra sua vontade é levada para um lugar desconhecido para ser treinada como guerreira da sua tribo. Um lugar com pessoas peculiares e de personalidades diferentes que ela tem que saber lidar. A partir daí, tudo rumou para uma estrada sinuosa.

     Mas ela se sente magoada? Errado. Ela se sente traída. Mas não deve se preocupar tanto com revanche. Não quando o passado cai sobre ela desenhando linhas de um futuro tenebroso e incerto. Não quando uma criatura mata e rouba auras de pessoas mortas. Não quando seus sentimentos são tão confusos para com um estranho. Não quando seu passado perdido a persegue. E principalmente, não quando aqueles que deveriam estar trancafiados e isolados, ameaçam retornar. E esse... É o pior mal que poderia acontecer.
Se vocês gostaram é só irem no blog da história: http://aflorecerbook.blogspot.com/

Bjuss

Katherine

domingo, 27 de março de 2011

Opala Catharyna Mariani

Eu estava olhando e vi essa historia e me apaixonei. É meio parecido com Diários do Vampiro, ou seja, se você gosta de Diários do Vampiro você vai gostar de Opalescencia mas, já vou avisando (não tem nenhum vampiro... Bom, não até agora).
Hum... e o parece que como o blog deu algum problema ela só está postando na comunidade.

                             Sinopse 


Bianca sabia, sempre soube que escondiam alguma coisa dela, mas pra que mexer em um assunto que estava morto a muito tempo? Não é facil esqucer o passado e depois que ela conseguiu seguir sua vida esperava nunca mais pensar no assunto. Mas se você não vai atras da verdade, a verdade corre atras de você e no fundo Bianca sabia disso, só não sabia que sua vida TODA era uma mentira. E agora? O que ela iria fazer para descobrir a verdade? O que ela pensaria? E como agiria?

O que você faria se descobrisse que tudo que achou ser verdade fosse a maior mentira ? O que você faria se a pessoa que você mais odeia fosse unica que pode te revelar a verdade ?
Descubra.



Capitulo Um Aparição
-- E ai? Ele já foi embora? - Olhei pra frente tentando não pensar demais no assunto.
--Ta brincando? Ele é insistente. - Remexi no meu colar prateada.
--Então você teve a quem puxar. - Disse ela querendo fazer piada do assunto.
Fingi que não escutei. Fingi mesmo, porque eu não tenhinha nada dele, nada mesmo. A não ser os olhos verdes, mais isso não é tão ruim. Ah esqueci, e uma pinta de nascença ridícula na nunca.
Olhei para rua procurando o carro da minha mãe. E ele ainda estava la. Uma moto harley preta, com um cara enorme olhando pra mim, esperando por mim. Aqueles olhos. Os meus olhos me encarando. Foi ai que eu percebi o porque da insistencia. Eles não fizeram isso. Eles não podiam ter feito isso.
--Me da uma carona? - Perguntei desviando o olhar daqueles olhos verdes penetrantes e olhando para a minha melhor amiga.
--Claro. Mais você sabe o que eu acho disso. 
-- Sua mãe já chegou? - Perguntei procurando o carro da mãe da Julia.
--Não. Ela vai demorar um pouquinho hoje. Tem que levar meu irmão no dentista.
--Ótimo. Já volto. - Disse indo em direção aqueles olhos que não paravam de me olhar. Fazia anos que eu não o via e nem falava com ele. Anos. A ultima vez foi quando ele comprou a moto. Eu amei na época. Fazia dele o meu super herói, mais agora faz um velho querendo parecer um adolescente. 
Parei de frente pra ele e cruzei meus braços no peito. Como eu sempre fazia quando queria parecer maior e durona. Ele não tirou o capacete. Apenas me olhou. Olhou mesmo de cima abaixo, como se fosse a primeira vez que me visse. E era. Era a primeira vez que ele me via em anos. 
Eu não disse nada. Não iria ser a primeira a romper o silencio de anos. 
Ele tirou o capacete.
Mais que merd...Eu tentei me acalmar, não demonstrar expressão nenhuma, deixar meu rosto neutro. Mais não era assim tão fácil, não vendo aquilo. O cara não tinha mudado nada. Nada. Tinha a mesma aparência das fotos de quando ele e minha mãe se conheceram. A mesma de quando ela estava grávida. A mesma de quando eu nasci. A mesma de sempre. Exatamente como eu me lembrava. Não que eu me lembrasse muito.
--Vim te buscar hoje. - Ele finalmente disse, rompendo o silencio que havaí somente entre nós, porque a nossa volta as conversar e risadas dos adolescentes aproveitando o ultimo dia de aula da semana era ensurdecedor.
--Perdeu seu tempo. - Disse sem alterar minha voz nem a minha expressão.
--Não entendi. - Ele disse levantando uma sobrancelha. Exatamente como eu fazia quando era irônica, percebi de solavanco – bom, pelo menos era o que eu tentava fazer, imitando os caras sexys dos filmes e livros - . Ótimo, mais uma coisa para a minha lista do que nunca mais fazer. Ou tentar.
Tinha divertimento na sua voz. E nos seus olhos, como se eu tivesse dito uma piada.
--Eu percebi. Já fazem 3 semanas que eu não atendo seu telefona, saio de casa quando você avisa que vai e me tranco no quarto quando você vai de surpresa. Não leio as suas cartas, nem deixo minha mãe tocar no seu nome em casa. E mesmo assim você ainda acha que eu vou deixar você me levar para casa. Realmente você não entendeu. Mais eu explico. estou acostumada em ter que explicar as coisas pra pessoas limitadas. 
EU. NÃO. QUERO. VOCÊ. NA. MINHA. VIDA. - Disse falando e separando cada palavra de cada vez. - Entendeu agora? - Perguntei levantando a sobrancelha e abaixando na mesmo hora que lembrei que ele fez a mesma coisa quando foi irônico comigo.
Ele ficou me olhando como se tivesse surpreso mais feliz ao mesmo tempo. 
                                                           **********
Se Gostaram e quiserem saber mais, esse é o Blog:
http://sagaopalescencia.blogspot.com/


E essa é a comunidade (lembram do problema que eu mencionei?)
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=105841603


Beijos 
Marri

sábado, 26 de março de 2011

Branka De Marina Garcia

Terceiro livro divulgado da Marina Garcia, eu adoro as historias dela...
Confiram a Sinopse e um pedaço do primeiro capitulo.


Crônicas dos Filhos de Atlantis
Livro I - Branka

Ironia do destino a lenda das ilhas perdidas, sanguessugas com enormes caninos, Vlad Tepes (o humano que desejava ser um sugador de sangue) e Van Helsing, todos juntos? Não! É a mais pura verdade que os humanos ainda desconhecem e nós fazemos questão de que continue assim.



                                                Capítulo 1

Poxa! Anda logo.
Gritei mentalmente enquanto me mexia de maneira desconfortável no banco do carro. Olhei pela milésima vez para o relógio do rádio, a minha impressão era a de que aqueles malditos números estavam disputando uma corrida de Fórmula 1.
- Essa coisa não se mexe nunca. - reclamei quando perdi o pequeno fio que me ligava a paciência ao apertar a buzina. - Anda agora!
Invejava a calma do meu irmão nessas horas. Bryan permanecia silencioso enquanto batucava mãos e pés como se houvesse uma bateria invisível a sua frente e escutava alguma música no Ipod. Contudo, era eu quem tinha compromisso e estava atrasada , ele só havia vindo por que não tinha nada para fazer em casa. 
Chato, nem serve para me distrair”. Pensei, enquanto voltava minha atenção para o que se passava no trânsito. “Droga, eles vão me matar”.
Eu estou escutando”, ouvi minha mente protestar. Olhei enfurecida para meu irmão, quando ele deu um sorrisinho.
Cala a boca.”
“Eu já estou calado.”
“Então não me estressa, já perdi minha paciência um número suficiente de vezes hoje.”
“Uau! Quer dizer que você tem paciência? Isso é uma grande novidade para mim.”
Depois dessa, fiz questão de me proteger com uma barreira mental, enquanto os carros começaram a mover-se lentamente. Isso já significava um bom começo, não é?
Teria suspirado aliviada, porém minutos depois meu carro havia parado novamente.
Ai que raiva! Se tivesse uma oportunidade nesse momento mataria o prefeito, por ser um idiota de tamanho maior devido a sua grande ideia de fazer obras na cidade em plena terça-feira as seis horas da tarde, quando todo mundo esta saindo do trabalho ou indo para a faculdade. Agora me pergunto, quem iria ter paciência em uma hora dessas? Ninguém!
Caleb iria, literalmente, me comer viva por culpa do atraso e sem direito a defesa.
- Paciência é uma virtude a ser conquistada. - falou Bryan retirando seus fones de ouvido.
- Já avisei para perder essa mania de ficar dentro da minha mente. - rosnei.
- Você sabe que pode construir uma barreira mental, não tenho culpa se esta distraída. Eu não posso simplesmente apertar um botão de pause.
- Eu sei, desculpa. É esse transito que me deixa maluca, se demorar mais vinte minutos , eles vão embora com o carregamento. Aí maninho, eu estarei ferrada.
- Quanto drama e você sabe que não é assim. O máximo que vai acontecer é o Conselho lhe chamar a atenção.
- Com o Caleb fazendo a entrega do material? Não, eu já estou considerando a ideia de que irei parar na forca e ser apedrejada.
- Tudo bem, como se isso fosse lhe matar.
- Não iria, mas a dor seria um incomodo pelo qual não desejo passar.
- Aposto que é mais fácil você mandar eles para aquele lugar onde o sol não bate. Eu te conheço o suficientemente bem para apostar que desapareceria sem deixar vestígios antes que pudessem pronunciar seu nome completo. - falou tranquilamente enquanto mexia no porta luvas do carro. - Imagine apenas a belezinha que você conquistou com os trabalhos. Quando querem e gostam os velhotes são bastante generosos. Você vai me emprestar aquela pequena maquina furiosa para mim dar uma volta, não é?
- Como se esse fosse um bom motivo para apagar o fato da desconfiança deles.
- Branka, mais uma vez isso. Você era praticamente uma criança na época, recém estava conhecendo realmente o nosso mundo em si.
- Diga isso ao Conselho e não a mim. - resmunguei irritada.
- Se não confiassem em ti já estaria morta e nem ao menos seria digna de um enterro.
- Chega! Vamos parar por aqui, antes que acabemos brigando. Esse assunto esta encerrado.
"Mas ainda é minha opinião", a voz de Bryan entrou em minha mente.
"Qual a parte do chega você ainda não entendeu?"
                          
- Nota da autora -
Ok! Antes de ler esse livro saiba que não somos os únicos a viver nesse planeta azul e não estou falando dos seres que conhecemos em nossas aulas de biologia e muito menos estamos no topo da cadeia alimentar. Se você tem uma visão romântica sobre o assunto em questão, sinto muito. Podemos não perceber, mas eles estão por toda parte. Nos protegendo, nos sugando, nos matando, nos com... Tudo bem! Vamos deixar isso para lá. 

Se vocês gostaram da historia e quiserem saber mais esse é o blog:

Beijos
Marri 


sexta-feira, 18 de março de 2011

Livro:"Emergir" de Larissa Ferrari

Como a Marrisa fala muito bem dessa autora,decidi ver e AMEI a história!Tipo,perfeita!Agora é só esperar anciosamente por mais não é mesmo?E em breve postarei(ou a propria Marrisa) a continuação:Arrepio.
 
" Abro meus olhos e dou de cara com Veronica, não mais presa pelas correntes e com olhos totalmente brancos me encarando."
Uma quase - morte;
Um segredo revelado;
Um romance talvez;
Lutas;
Sangue;
Águas;
Escuridão;
Emersão;
Veronica foi jogada penhasco abaixo. Será que isso a destruiu ou ela mais uma vez conseguiu escapar da morte?

Livro:"As Tres Moiras" de Milena e Amanda Steilein

Novamente da Amanda,que voces sabem,eu sou fã,mas dessa vez com Milena que provavelmente é parente dela em algum grau.Essa história é BEM LEGAL e quero compartilhá-la com voces,então vamos conferir se é realmente boa(clique aqui para entrar no blog):
Comunidade:
Prólogo

Yohanna Bourbon não agüentava mais. Estava angustiada. Não sabia o que fazer. Afastada de seus amigos, de seus pais e parentes. Estava sozinha.
Completamente só. Sem ninguém – ninguém ao seu lado. Ninguém para ampará-la agora.
Ela estava só e ela estava chorando.
Lágrimas desesperadas escorriam pelo seu rosto gentil, com traços suaves e frágeis, um rosto juvenil, a flor de sua idade, quinze anos, somente quinze anos vividos e tanta coisa aprendida.
Tanto sofrimento.
Lágrimas antigas presas há muito, juntadas às suas novas lágrimas, do seu sofrimento atual – o sofrimento atual vinculado com o antigo. Lágrimas escorrendo agora. Libertadas, enfim.
Yohanna estava com medo. Medo do novo.
Medo de lutar.
Lutar contra o quê ela sabia que não se podia destruir. Lutar contra algo que nunca morria.
Ela sentia medo. Medo de perder. Porque é certo que ela irá perder.
A criatura a sua frente lhe encarou com olhos sagazes e medonhos, um olhar que enviou uma onda de calafrio pela sua espinha. Os dentes eram grandes, grandes e temíveis presas afiadas, as quais ela temia mais que qualquer outra coisa.
Ela não queria lutar. Não contra aquilo.
Sua primeira luta contra algo inimaginavelmente mortal.
Seus cabelos loiros com mechas roxas esvoaçavam ao redor de seu rosto, seus olhos violeta estreitos e assustados, apesar da coragem que ela tentava reunir.
Seus pais.
Ela não estava ali por acaso.
Yohanna fora escolhida, escolhida para estar ali.
Protegendo.
Ela não tinha uma escolha. Não agora.
Aceitando seu destino com temor no seu coração jovem, ela apertou o cabo da sua espada com raiva.
Então ela correu.

Gostaram?

XoXo,

Vicky

Livro:"Borboletas Negras" de Amanda Steilein

Não,eu não deixei o blog.Eu apenas estava tendo aula,então,para compensar,trago hoje,para voces,mais uma das histórias incriveis da Amanda!Vamos ver?Sinceramente,ela escreve super bem e estou super curiosa dos livros dela!

1, O Mundo dos Mortos
“Num mundo onde vampiros reinam e dominam, um vacilo que você der, provavelmente você morre.”
Belinda talvez seja apenas uma garota que quer encontrar sua irmã e manter seu pai a salvo. Uma garota que apenas quer viver seu presente sem pensar no seu trágico passado e no seu nada estável futuro. Dezesseis anos e sem esperança. Viver fugindo e se escondendo é difícil, principalmente quando parece que um vampiro poderoso resolveu se interessar especialmente nela. As coisas pioram quando um rapaz misterioso salva sua vida e simplesmente some, para depois reaparecer em circunstâncias suspeitas. Traições e mortes, pactos e barganhas, tudo isso num mundo onde não há mais nada vivo, nada do qual se orgulhar.
Tudo isso num mundo repleto de mortos. Criaturas da noite, frias e cruéis. A noite é perigosa e nem a luz do sol é segura mais.
Para onde correr? Bel irá descobrir. Em breve.
2, O Senhor da Noite
Todos cometem erros.
Bel não sabe disso até cometer o pior da sua vida.
O qual ela se arrependerá até seu último suspiro. O que a fará querer voltar no tempo.
Mas ela não pode. Ela nunca pôde.
Afinal, sua mãe é uma vampira. E, mesmo tentando negar, ela ama o cara que a traiu diversas vezes, Mikael Krügger.
Ela queria fugir do passado, apagar suas lembranças e se concentrar no presente, como sempre fizera. Porém sua meta se deteriora à medida que antigos segredos são trazidos à luz e antigas pessoas reaparecem, como se nada tivesse mudado.
Mas mudou. E Bel sabe disso.
Sem saber como lidar com as conseqüências do seu erro e sem saber o que fazer com sua vida agora que os segredos de seu pai vieram à tona, Bel se vê encurralada, precisando ser salva.
O passado e o futuro.
Qual deles irá, afinal, salvá-la?
3, O Guerreiro da Luz
Belinda Formonte sofre com a impotência de ter de assistir Mikael virar um vampiro enquanto ela não pode fazer absolutamente nada.

Para fazer alguma coisa, Bel resolve ir atrás de informações sobre ela mesma, para assim poder ajudar o homem que ela ama. Bel procura Ricardo Proença.
O mesmo que fizera dela a primeira contaminada.
A única pessoa que Belinda pensa poder ajudá-la não tem as respostas. A única pessoa em quem ela não pode confiar detém uma teoria. E a única pessoa que sabe como ajudá-la é um forasteiro desconhecido que mantém seu passado nas sombras e recusa-se a revelar qualquer coisa.
Além de tudo, Bel terá de fazer uma escolha. Ela precisa salvar duas pessoas, mas ela só pode salvar uma delas.
Como escolher entre duas pessoas que ela ama irremediavelmente?
Belinda não sabe, ela não consegue, ela não pode escolher.
Um destino terrível, um final imprevisível.
Descubra.

O que acharam?Amaram como eu?

XoXo,

Vicky

Afundando de Larissa Ferrari

Segundo livro que eu estou divulgando dela, mais tipo, eu amo as historias da Larissa, ela escreve muito bem.



O que você faria se ficasse PresaEncurralada?
      E se seu Salvador e Carrasco fossem a mesma pessoa?


Sinopse:

Tudo estava normal, não, nada é normal na minha vida, eu sou uma cobaia de laboratório, e o que eu tenho que fazer? Testar a resistencencia da minha espécie, que por mais engraçado que seja, eu não sei qual é.
Ele me pois em mais uma prova, será que eu consigo sobreviver a um ataque de lobos?
Será que eu posso confiar minha vida a eles?
Será que euposso conseguir não me apaixonar por um deles, por mais dificil que seja?
Como ele acha que eu vou conseguir sobreviver a tudo isto?
Meu nome é Veronica e só lendo minha história a partir do ataque que você poderá descobrir...





 Trechinho:

Não conseguia enxergar o outro lado da pista, onde os outros deveriam estar e duvido que eles conseguissem fazer o mesmo... 

- Por que você me trouxe aqui? - perguntei perto de seu ouvido, ainda me mexendo contra seu corpo, provocando-o. Adoro fazer isso.  

- Não fui eu quem sugeriu esse lugar, foi Peter. 

- Não estou falando disso e você só está se fingindo de desintendido. 

- E por quê eu faria isso? 

- Me responda você. 

- Por que? É tão horrível assim eu querer dançar com você em um lugar mais calmo, sem pessoas para nos atrapalharem? 

- Atrapalharem o quê?

- Você quer mesmo saber?

- Com certeza - respondi lentamente. 

- Isso.


O que acham? 
Se quiserem saber mais sobre a história clique AQUI.
Beijos 
Marri

terça-feira, 15 de março de 2011

Saga Eleonor Evans de Marina Garcia

 
"Todas as batalhas são primeiro ganhas, ou perdidas, na mente"
Joana D'Arc 
Prólogo do Primeiro Livro
 
Minha vontade nesse momento era de gritar anunciando ao mundo todo a alegria que 
explodia em meu interior. A sensação de liberdade, o cheiro da grama recém molhada que
vinha da floresta trazida pela brisa e a esperança de que ele estaria lá, esperando por mim,
eram bálsamos para os meu piores medos.
Minha vontade nesse momento era de gritar anunciando ao mundo todo a alegria que explodia em meu interior. A sensação de liberdade, o cheiro da grama recém molhada que vinha da floresta trazida pela brisa e a esperança de que ele estaria lá, esperando por mim, eram bálsamos para os meu piores medos.
- Vamos Seth, se aprece um pouco mais. - ordenei ao garanhão negro que me carregava, dando-lhe tapinhas amigáveis. Como se houvesse escutado meu lamentos o cavalo aumentou seu ritmo.
O que eu faria para viver o meu desejo no futuro? A única coisa que pensava em quanto me fazia essa pergunta era o rosto dele. Sem mesmo enumerar ou fazer uma lista de razões pela qual lutava, a resposta definitiva é a de que ofereceria meu corpo, minha vida e minha alma para seguir meus objetivos.
Sempre vivi de acordo com as normas de meu pai: vista aquilo, coma isso, leia aquilo, treine isso, ande com essas pessoas... Nunca tive a chance de fazer minha próprias escolhas e confesso que a independência era viciante. Experimentar a liberdade era quebrar as regras, destruir e estabelecer novos laços e o principal de tudo era viver uma nova vida longe da minha família e perto de estranhos que fui ensinada a matar.
Meus instintos começaram a alertar sobre algo perigoso, um inimigo, com o cheiro almíscar forte, enquanto meu pulso explodia e meu corpo se preparava para uma luta que não iria acontecer. Era ele, como me prometeu ele estava aqui. Assim que ordenei ao cavalo que parace imediatamente, Seth empinou de maneira brusca. Como eu podia imaginar os piores perigos que enfrentaria, se quando olhava para seu sorriso meu coração se acalmava com em um passe de mágica?
Desci do cavalo o mais rápido que pude e corri em sua direção.
- Você esta aqui. - sussurrei envolvendo-me em seus braços. Meu porto seguro.
- Sou egoísta demais para deixá-la ir sem mim.

Gostaram do prólogo? Então para ler o resto é só ir no blog da história: http://eleonorevans.blogspot.com/

Ahh gente eu tenho que dizer que as capas da saga são LINDAS DEMAIS e eu não resisti e resolvi mostrar:




Legal né?

Bjuss

Katherine

Tempestade de Larissa Ferrari


“Todo sonho tem sua origem,
Mas nem todas são boas”





Uma meia anjinha lutando contra um poderoso vilão. Mas o mais importante, será que ela saberá diferenciá-lo de quem apenas lhe quer ajudar?


Um romance de lutas, sangue, bailes, prisões, fugas, traição e indecisão. Tudo misturado em uma completa Tempestade.


Tudo estava normal, entediante se vou ser sincera, nada podia dar errado, até ele chegar... e tirar de mim tudo que eu amava, minhas amizades, meu amor, meus medos e, por fim, minha alma...




PROLÓGO

Nossa você sabe como é chato ser a única garota meio-anjo em um escola cheia de patricinhas e garotas metidinhas? Não, claro que não, eu devo ser aúnica garota do mundo assim - pelo menos da escola eu acho que sou - também admito que não ajudo sendo gótica e tudo mais.

Desculpa, é que estou tão indignada da minha mãe ter me posto nesta escola, que até esqueci de me apresentar, vamos lá, meu nome é Ágata, tenho 16 anos, sou meia-anjo e estou no ensino médio em um internato misto cheio de alunos que me odeiam, só tenho uma amiga que se chama Monique, ela é loira e tem o olhos mais pretos que eu já vi. Dois amigos que são o Adam,um garoto muito bonito,loiro de olhos azuis, se não fosse sua fama de ser 
mão de vaca - que a propósito é verdadeira - já teria uma namorada e, Samuel, ele é bronzeado, alto e de cabelos castanhos, também muito bonito, só que não o meu tipo. Eu queria ter o príncipe sombrio, moreno e de olhos verdes com quem venho sonhando frequentemente, apesar de nunca ter visto ninguém parecido, mas fazer o quê, são só sonhos, mais uma adolescente pode sonhar, gente?

Ser metade anjo tem seus 
benefícios, como ter bela aparência, ser bastante resistente e outras coisas que ainda não descobri. Mas também tem seusmalefícios, como meus olhos, pois quando tenho uma emoção muito forte, o verde deles começa a ficar contornado de roxo e azul.

Estando na 
adolescencia seria esperado de mim escrever uma diário para me abrir com alguém - que seria um caderninho de papel - mas, ao invés disso, estou escrevendo meu próprio livro, minha biografia, que mais tarde vai ser marcada como ficção. Mas é realmente chato pensar em escrever um livro sobre vida, quando não acontece nada de interessante nela a ponto de por no papel, esse deve ser o prologo e a partir daqui divirtam-se lendo sobre a nada divertida e entediante vida de uma anjinha mestiça.



Esse aqui é o blog dela:
http://theroseoftheraven.blogspot.com/

domingo, 13 de março de 2011

Redenção de Manuh Ferraz




Eu devo dizer que eu amei a historia desse livro, ela prende agente e isso é uma coisa boa, você não consegue sair de perto até terminar de ler.

Sinopse:


      
Para Daniel a morte nunca fora uma inimiga de fato. Até agora. As consequências para sua escolha nunca fora tão fatal.
Por que lutar quando tudo já está perdido e você cai cada vez mais rumo ao abraço da morte?
        Ao mesmo tempo em que Daniel via seu mundo ruir, algo florescia, quando surgiu aquela que despertaria o sentimento que fazia tudo perder o foco. Tal sentimento já estava condenado antes mesmo de ter começado. Driblar a Redenção sobre os olhos da morte não será uma tarefa fácil, ainda mais quando parte de você aclama por isso. Mas valeria tudo para poder viver aquele sentimento novo e único — ao menos desfrutá-lo enquanto ainda permanecia intacto.
        Mas vontade não será o suficiente...


                            Prólogo



SENTINDO QUE A REDENÇÃO ESTAVA A CAMINHO, DANIEL SE DESESPEROU. Tinha que correr antes que fosse tarde, antes que ela o pegasse com força suficiente para derrubá-lo. Tinha que terminar o que tinha que fazer. O que já devia ter feito. Mas precisava ver alguém antes disso. E era difícil. Doía pensar que seria a ultima vez que a veria.
     Nunca pensara que isso fosse acontecer, não com ele. Se tudo deu errado fizera a escolha errada. Então, não era mesmo para estar respirando. Devia mesmo se importar com isso? Agora já era. Acontecerá o que já deveria ter ocorrido, mas agora, nenhuma escolha seria feita. Estava decidido e era o único caminho justo.
      Era uma tarefa fácil, não é? Matar ou morrer. Bastava cumpri-la e seu tempo aumentaria como recompensa. Por que fraquejara?
     O sentimento misturando culpa, medo, desespero e ódio de si, estava ficando mais forte. Era uma dor mental, que mexia com seus nervos, o enlouquecia. Ele queria gritar, gritar para tentar aliviar o que sentia. Mas os gritos não saiam.
     Ele afastou a arma do pescoço, sentindo-se ainda mais sujo. Suicídio é repugnante. Já bastava o que fizera. Isso seria demais. Os outros Magos cuidariam dele. Mas o que faria até lá? 
     A Redenção queimava insuportavelmente em sua cabeça. Não haviam saídas. Ela o consumiria por bastante tempo até o laço desatar-se. Ele deixou a arma cair. Ela bateu no chão com um baque surdo.
     O fim estava chegando. A morte esticava a mão para alcançá-lo. Ele sabia. O selo se rompera faltava o laço ser cortado.
O blog dela:

Livro:"O Começo" de L.

Esse livro parece bem interessante e decidi postar sobre ele para voces.A autora apoia nosso blog(eeee),então,vamos conferir mais um pouco sobre essa história que realmente promete para nós,leitores.Quem quiser entrar no blog do livro,clique aqui.Confira:


Capitulo um


Descobrindo a verdade

Antes:

Pegando meu caderno de vinte matérias, corri até o primeiro andar da escola e abri meu armário, para pegar minha apostila de português.
Sinto uma mão no meu ombro e pulo assustada. Olho para trás e vejo o Eric.
Lá estava o garoto mais bonito da escola, e que todas as garotas cairiam para cima dele. Menos eu:
-Oi Eric. – falei sorrindo – O que você quer?
-Você copiou a lição de historia? – ele perguntou e eu suspirei.
Viu? Ele nunca iria querer nada comigo! Sem falar que ele não é tão bonito assim... Só por que tem um lindo cabelo loiro, dois lindos olhos azuis claros, 1 metro e oitenta e sete de músculos perfeitos... Não é tão bonito assim!...
Quem eu to querendo enganar?! É claro que ele é lindo!
-Sim. Copiei. – falei e peguei um caderno azul, pequeno e fino e entreguei a ele – Está ai.
-Obrigado. – ele se inclinou e deu um beijo na minha bochecha.
-Você está me devendo duas agora! – falei empurrando ele no peito – E acho que sei como você pode me devolver o favor.
-Como? – ele perguntou e sorriu travesso.
-Pode tentar falar com seu pai para me arrumar um emprego em uma das lojas dele. – falei.
-E se eu fizesse isso e fosse com você ao baile? – ele disse e eu neguei.
-Acho melhor não... Suas admiradoras vão ficar bravas comigo quando descobrir que você só vai comigo por causa de favores.
-Mas...
Coloquei um dedo no seu lábio e sorri.
-Não me perturbe. Só quero um emprego. Aliais, quem você está querendo enganar? Você não quer ir comigo. – tirei meu dedo e fechei a porta do meu armário – Preciso ir para aula. Até mais tarde.
Coloquei um pé no degrau da escada, quando senti um tremor passar pelo meu corpo.
Olhei para o Eric e vi-o fazendo uma careta de nojo. Olho ao seu redor, mas não vejo nada. Nem os seus amigos estão lá.